Estava viajando em um país sul-americano, apresentando algumas palestras de saúde. O organizador do evento que nos transportava para o auditório e outras atividades parecia um pouco estressado. E o fato foi confirmado quando à noite, depois da palestra, ao levar-nos de volta ao hotel, o sujeito quase subiu no canteiro central da avenida principal. Ele não tinha visto o canteiro e quando os outros passageiros o alertaram ele simplesmente parou no meio da avenida, como se estivesse paralisado. Ao perguntarmos o que estava ocorrendo, ele relatou que durante aqueles dias de conferencia ele estava dormindo apenas uma ou duas horas por noite. O individuo estava dirigindo praticamente embriagado pela falta de sono.

Uma das perguntas mais frequentes entre meus pacientes, amigos e parentes é sobre o problema de insônia. Hoje se sabe que o sono é importante para todas as funções do corpo, começando com o sistema imunitário, o desempenho mental e físico e tem até relação com o aumento do peso.

Quando meu filho mais velho estava na escola secundária, um de seus amigos resolveu procurar um trabalho de tempo integral ao mesmo tempo em que frequentava a escola. Certo dia, estava conversando com ele sobre seu “novo” estilo de vida e ele me disse que dormia apenas 3 horas por noite. Sua rotina era mais ou menos assim: acordava às 6h da manha para um banho rápido e o café da manhã para estar na escola às 7h. A escola terminava às duas da tarde e ele tinha um almoço rápido na cafeteria. Às três da tarde, começava seu trabalho de oito horas. Às onze, voltava para casa depois de um trajeto de meia-hora. Às onze e meia, era a hora de jantar e depois assistir televisão por duas horas. Entre uma e meia e três da manhã, fazia as tarefas de casa. Dormia então três horas e se vangloriava de se sentir muito bem.

Tentei arrazoar com o rapaz que aquilo não era vida e que três horas de sono não eram suficientes para a saúde, e que ele estava arriscando a saúde física e mental. Seu sistema imunitário estava sendo deprimido e alguma coisa poderia acontecer: um acidente, uma crise nervosa. Mas o que ocorreu foi muito diferente. O rapaz ficou enfermo. A princípio parecia um resfriado comum, mas aquilo progrediu para gripe e pneumonia que o derrubou de tal forma que perdeu mais de duas semanas de escola e trabalho. Felizmente, depois do susto, resolveu parar com seu trabalho e mudou seu estilo de dormir.

Voltando à pergunta sobre o que se deve fazer para dormir ou melhorar o sono, a primeira coisa a ser feita é saber a causa da insônia. A mais comum está relacionada com o estresse e a ansiedade ou com o excesso de preocupação. Nesse caso, a solução consiste em resolver o problema na sua causa. Resolver problemas psicológicos pode não ser tão simples assim, pois muitas vezes se requer aconselhamento profissional – assim, este seria o primeiro passo: procure auxilio profissional.

Outras estratégias para ajudar nos casos de insônia são as atividades relaxantes como música, massagem, banhos mornos, leitura, e coisas do gênero. A música tem um efeito bem efetivo, especialmente a música clássica – não é por menos que durante um concerto de música clássica muitos dormem em poucos minutos. Há evidências de que ouvir musica instrumental, principalmente cordas e piano, produz maior relaxamento do que outros instrumentos ou o canto.

Outros conselhos para dormir são: não comer muito à noite, tomar chás de ervas medicinais como a camomila, cidreira, maracujá e lúpulo, não fazer exercício pesado à noite e controlar a temperatura, ruído e luminosidade do ambiente. Ausência de ruído e completa escuridão são essenciais ao sono. Quanto à temperatura, o frio induz mais o sono, mas o assunto parece ser mais individual do que uma regra geral. Muitos especialistas aconselham temperaturas de 18 a 20 graus centigrados, porém a pessoa deve testar e ajustar a temperatura que lhe parece melhor e que ativa o sono.

Tenha cuidado com a medicação para insônia, por duas razões: primeiro porque a maioria das drogas não consegue produzir um sono que reproduz as fases normais do sono (fases 1 a 4 e o sono REM – Rapid Eye Movements, Movimentos Rápidos dos Olhos). Assim que sempre é melhor procurar outras alternativas antes de recorrer à medicação. Muitos tentam o álcool, mas este pode suprimir o sono REM. O sono REM ocorre somente durante 25% do tempo total do sono, mas é alcançado varias vezes durante a noite. Essa fase do sono é quando ocorrem os sonhos e é a fase mais importante para o equilíbrio emocional. A segunda razão para não usar drogas e, principalmente, o álcool é o risco de adição. É frequente o individuo usar bebidas alcoólicas para resolver seu problema de insônia e, finalmente, se tornar alcoólatra e ainda continuar com insônia.

Assistir televisão pode ajudar e a leitura de um livro também, porém, o fator luminoso pode produzir um alerta mais do que um relaxamento. Audiobooks – livros em áudio – parecem ser benéficos, principalmente se o livro não for muito emocional ou assustador.

Finalmente, a melatonina pode ajudar em certos casos, principalmente naqueles que têm dificuldade de iniciar o sono. Outra maneira de produzir melatonina naturalmente é expor-se mais ao sol pela manhã. Qualquer que seja a medida que funcione para melhorar seu sono, uma coisa e básica: precisamos ter atividades do sistema parassimpático, as quais produzem mais acetilcolina, a qual ajuda a balancear o sistema simpático ou o sistema de alerta. O descanso, a meditação e outras atividades relaxantes são muito efetivos para ativar o sistema parassimpático.

O conselho final para resolver a insônia, e talvez o melhor de todos, é ressaltar o fator espiritual. O estresse e a ansiedade podem ser neutralizados por uma relação com Deus. Nesse caso, a oração e a leitura da Bíblia são ideais antes de dormir. O fato de saber que Deus está no controle das situações da vida e de que esta vida terrena é apenas uma parte da eternidade produz relaxamento. A esperança de uma vida isenta de problemas no futuro produz um alivio mental incomparável. O Salmo 3:5 diz: “Eu me deito e durmo, e torno a acordar, porque é o Senhor que me sustém.”

Veja como ter uma boa noite de sono.

 

Fonte: Revista Vida e Saúde