Desde 2003 comemora-se o “Novembro Azul”, uma campanha para o diagnóstico do câncer de próstata em homens. Novembro é hoje um marco para lembrar aos homens da importância do diagnóstico precoce e tratamento do câncer de próstata.

Mas o que é a próstata? A maioria dos homens sabe da importância do seu acompanhamento, mas poucos sabem o que ela é e para o que serve.

A próstata é uma glândula exclusiva do sexo masculino e produtora de uma secreção que é eliminada por meio de estímulo sexual. Localiza-se imediatamente abaixo da bexiga, com um segmento da uretra passando pelo seu interior e ligada a duas outras glândulas denominadas vesículas seminais e dois ductos que provêm dos testículos, os ductos ejaculatórios. Esse conjunto complexo é responsável pela produção e eliminação do esperma juntamente com espermatozoides provenientes dos testículos. A próstata e as vesículas seminais produzem cerca de 95% do líquido eliminado em uma ejaculação.

Como a uretra tem um segmento que atravessa a próstata, patologias que afetem a glândula podem ter repercussão sobre os sistemas urinário e reprodutivo. “Tanto doenças benignas como malignas, leia-se o câncer de próstata, podem ter sintomas semelhantes. Não espere diferenciar o câncer de outras doenças pelo quadro sintomático, pois ele pode ser semelhante nas diversas patologias e até mesmo não apresentar sintoma algum”, informa o urologista Wagner Raiter, membro da Sociedade Brasileira de Urologia.

O peso normal dessa glândula é por volta de 20 gramas, com um tamanho semelhante ao de uma noz. A partir dos 40 anos de idade, essa glândula pode apresentar um crescimento contínuo, inicialmente compensado por mecanismos de adaptação do sistema urinário, mas que em um determinado momento será suplantado pelo grau de crescimento e obstrução da via urinária levando a um quadro sintomático com indicação de tratamento, que pode vir a ser cirúrgico. Tanto um crescimento por uma patologia benigna, a Hiperplasia Benigna da Próstata (HPB), como um crescimento decorrente de um tumor maligno (câncer de próstata), podem apresentar sintomas semelhantes num momento inicial, daí que apenas os sintomas não são suficientes para a diferenciação do problema. Nesse caso, se faz a avaliação através de exames subsidiários e exame físico para poder saber se se está diante de um tumor benigno ou maligno da próstata.

A recomendação da Organização Mundial de Saúde é para que se faça exames a partir dos 50 anos de idade. “A avaliação mínima deve incluir um exame de PSA (Antígeno Prostático Específico – sigla em inglês) que vem a ser uma proteína produzida exclusivamente pelo tecido prostático, um exame de ultrassonografia e o toque digito-retal realizado pelo urologista para avaliação das características de tamanho, forma e consistência da glândula. Essas informações em conjunto darão uma ideia de como está a próstata, se devemos nos preocupar e acompanhá-la de perto ou se poderemos fazer uma acompanhamento anual, de rotina”, diz Raiter.

Na suspeita de um tumor maligno uma biópsia será necessária para a confirmação do câncer. Se vier positiva serão necessários vários exames chamados de exames de estadiamento do tumor que indicarão se a doença está restrita à glândula ou se já apresenta crescimento local fora dos limites dela ou a distância, as chamadas metástases. Para cada uma dessas situações um tratamento diferenciado é necessário.

Como visto, a próstata é uma glândula pequenina, mas que demanda muita atenção e cuidado, pois pode interferir na qualidade e expectativa de vida do indivíduo quando entra no processo de envelhecimento. “Para envelhecer com saúde bastam alguns cuidados básicos e simples, como a ida anual ao seu urologista e realização de alguns exames de acompanhamento. E, se diagnosticar um problema, não tente escondê-lo, pois o tratamento precoce é a melhor.

 

Fonte: Revista Vida e Saúde