Atualmente, a aparência dos dentes ganhou espaço na vida das pessoas. Endireitar, corrigir a mordida, alinhar a dentição, fazer pontes ou canais são alguns dos muitos procedimentos feitos quando se está à procura do sorriso ideal. Dentre todos os fatores que causam diferença na estética dental, a coloração pode ser incluída. A cirurgiã-dentista Lilian Meneguetti explica que fatores genéticos ou até hábitos alimentares podem alterar ou comprometer a cor dos dentes. “Alguns nascem com uma coloração mais amarelada. Outros se tornam amarelos, principalmente, devido a alimentos altamente pigmentados”, explica.

Os dentes sofrem modificações ao longo do crescimento das pessoas. Lilian explica que quando ainda se tem dentes decíduos, mais conhecidos como dentes de leite, eles naturalmente são mais brancos. Porém, após amadurecerem, os dentes permanentes tornam-se mais amarelados.

Este é o caso da estagiária em biomedicina, Ariane Gomes. Seus dentes são amarelos desde que nasceram os permanentes. Porém, hoje, com o uso de aparelho, acredita que a situação se agravou. Lucas Rocha, estudante de Direito, apresentava um desgaste natural que foi agravado devido ao grande consumo de refrigerante.

A coloração dos dentes pode se tornar um problema na vida de alguém. Pode afetar não apenas a estética, mas, também, a autoestima. Segundo a psicóloga clínica Keli Rodrigues, a autoestima é afetada dependendo de como a pessoa se relaciona com a sua aparência. Contudo, ela não está relacionada apenas com a aparência física. “É antes de tudo uma postura diante das situações, ainda que elas não sejam favoráveis. Para pessoas extremamente perfeccionistas, os detalhes vão importar muito, e aí sim seria prejudicial à autoestima”, explica.

Não se sentir bem com a aparência pode até prejudicar relacionamentos interpessoais. A psicóloga explica que o sorriso, para muitos, é considerado o “cartão de visitas”, então se a pessoa se sente incomodada com seus dentes, provavelmente irá se retrair e prejudicar o seu convívio com as outras pessoas.

Ariane não se sente confortável. “Me incomoda muito. Odeio meu sorriso”, revela. Ela sente que isso afeta sua autoestima. Algumas vezes, a estagiária chega a modificar no brilho ou amenizar a cor de seus dentes em algumas fotos.

Alguns cuidados podem ser tomados para que não haja a alteração da cor dos dentes ou agravar ainda mais, dependendo da situação. Lilian aconselha evitar alimentos e bebidas que possuem corantes muito fortes, pois ao consumi-los com frequência, os dentes podem absorvê-los. “Beterraba, café, chá, vinho tinto e refrigerante são alguns exemplos de alimentos que mancham os dentes. O cigarro também é um vilão que deveria ser evitado”, exemplifica.

Além de atitudes simples que podem ter iniciativa pela própria pessoa, existem também tratamentos odontológicos que resolvem ou amenizam esse problema. O clareamento dental é um deles. Entretanto, mesmo com este tratamento específico é necessário identificar as causas do amarelamento, já que existem casos que apenas este procedimento não seria o suficiente para ter um resultado satisfatório. Caso isso aconteça, a cirurgiã-dentista explica que as facetas estéticas, lâminas aplicadas sobre os dentes, complementam o resultado.

Lucas fez o clareamento depois de ir ao consultório para fazer uma limpeza semestral e descobrir que seu desgaste natural poderia ser solucionado dessa maneira. Após o tratamento, parou de ingerir refrigerante de cola, já chegando há ficar oito meses sem tomar nem um gole. Abre algumas exceções apenas em ocasiões especiais. Ariane também fará o clareamento dental, mas só depois procedimento após retirar o aparelho.

Buscam-se, cada vez mais, maneiras de se sentir bem e de ter a aceitação do próximo. Devido às evoluções das técnicas, a cirurgiã-dentista acredita que a estética dental está cada vez mais popular e acessível. “Um sorriso branco e perfeito já virou sinônimo de saúde, simpatia e até mesmo de confiabilidade”, complementa.

 

Imagem: Iassedesigner/Fotolia