Fisioterapeuta do HCor revela que medidas como alongamentos e pausas em períodos longos de uso ajudam a prevenir o problema. Porém, o melhor ainda é recorrer ao celular apenas em casos de real necessidade e procurar manter a postura corporal correta ao utilizar o aparelho.

Está comprovado que os movimentos repetitivos utilizados para digitar mensagens no teclado dos smartphones podem provocar tendinite, bursite, rizoartrose, entre outros tipos de lesões ou disfunções articulares que afetam não só as mãos, mas também os braços, os ombros e até os músculos presentes nesta região do corpo. Isso ocorre porque grande parte dos usuários ainda costuma passar horas com tais aparelhos entre os dedos, sem se dar conta do desgaste físico que estão sofrendo. Contudo, há meios de lidar com a situação. “Medidas como alongamentos e pausas em períodos longos de uso ajudam a prevenir o problema. Porém, o melhor ainda é recorrer ao celular apenas em casos de real necessidade e, principalmente, procurar manter a postura corporal correta ao utilizá-lo”, afirma o Dr. Ricardo Sasaki, fisioterapeuta do HCor – Hospital do Coração.

Para orientar os usuários sobre como utilizar os seus smartphones de maneira mais anatômica e menos danosa às articulações, o Dr. Sasaki tem algumas lições. “Dores e incômodos provocados pelo uso continuo de celulares podem ser evitados ou mesmo reduzidos por meio de medidas relativamente simples”, afirma.

POSTURA CORRETA
O Dr. Sasaki ensina que, quando for digitar, é importante manter a postura corporal correta. Para isso, é preciso alinhar os braços e procurar apoiá-los em uma mesa. Feito isso, tente deixar o aparelho o mais afastado de si mesmo possível. Assim, a tendência é que os braços fiquem melhor acomodados e você não precise flexionar tanto o pescoço para baixo na hora tentar enxergar a tela. “Embora essa seja a maneira mais segura de digitar, ela não precisa ser adotada de maneira rígida. O que cada usuário precisa fazer é tentar encontrar uma forma de manter os braços bem apoiados, o celular afastado e o pescoço o mais reto possível para diminuir o risco de problemas causados por esforço repetitivo”, afirma o fisioterapeuta.

EVITE A QUALQUER CUSTO
Não é só escrevendo mensagens, sem as devidas precauções, que podemos colocar a saúde das nossas articulações em risco. Segundo Sasaki, existem hábitos na hora de falar ao telefone que também podem fazer muito mal e precisam ser evitados a qualquer custo. Um deles é o de segurar o celular entre um dos ombros e a cabeça, enquanto as mãos estão ocupadas. “Por mais rápida que seja a conversa, o melhor é interromper o que está fazendo, desocupar as mãos e levar o aparelho ao ouvido usando uma delas. Isso evita que o contorcionismo necessário nesse tipo de manobra prejudique o pescoço, os ombros e o maxilar”, alerta. “Com estes cuidados, é possível utilizar os smartphones de maneira mais segura e saudável”, concluir o fisioterapeuta do HCor.

 

Fonte: Target Assessoria de Comunicação
Imagem: Kentoh / Fotolia