Tiroteio na manhã de sexta (20/10) em um colégio de Goiânia deixou dois jovens de 13 anos mortos e mais quatro feridos. O responsável pelos tiros, um aluno de 14 anos – 8º ano – da própria escola. Ele era filho de militares e afirma ter sofrido bullying pelos colegas.

No ano passado entrou em vigor no Brasil a lei que criou o Programa Nacional de Combate à Intimidação Sistemática, com o objetivo de oferecer mecanismos que possibilitassem a mudança do comportamento hostil dos agressores. Mesmo com programas governamentais, outra tragédia por conta do bullying aconteceu.

O bullying é caracterizado por violência física ou psicológica que acontece de maneira repetitiva, sistemática e sem motivação evidente.  No Brasil, 17,5% dos estudantes disseram sofrer alguma das formas de bullying “algumas vezes por mês”; 7,8% disseram ser excluídos pelos colegas; 9,3%, ser alvo de piadas; 4,1%, serem ameaçados; 3,2%, empurrados e agredidos fisicamente – de acordo com dados do terceiro volume do Programa Internacional de Avaliação de Estudantes (Pisa) 2015.

Segundo Ana Cássia Maturano, psicóloga e psicopedagoga clínica, a prática do bullying, quando um colega hostiliza ou agride seu filho, é uma situação em que coloca a prova o papel dos pais. “A atitude a tomar nessas ocasiões se transforma em um dilema para muitos: instruem o filho a se defender, ensinando-o a “brigar”, ou deixam que ele se vire sozinho? Nem uma nem outra”, relata a especialista.

“Passar a evitar ir à escola ou mesmo falar sobre ela, mudança no humor, evitar certas pessoas, aparecer com ferimentos ou hematomas sem explicação, ter problemas para dormir e mesmo começar a apresentar comportamentos agressivos podem indicar que a criança está sofrendo bullying”, explica Luciana Barros de Almeida, presidente da Associação Brasileira de Psicopedagogia, ABPp.

Os pais precisam ajudar seus filhos a refletirem sobre as situações, questionando sobre qual o motivo pelo qual a criança está sofrendo violência, para que se fortaleçam para conseguir enfrentá-las. O adulto deve ser olhado como um ponto de referência e orientação, instruindo como as crianças e adolescentes podem agir.

“O mais certo para os pais e os filhos é que juntos eles encontrem o melhor jeito de lidar com a situação. Os adultos, por serem mais experientes, têm a obrigação de orientar as crianças, que precisam muito de proteção. Num contexto de aprendizagem que servirá para toda a vida”, comenta a psicóloga Ana Cássia.

Para a presidente da ABPp, o problema é antigo e ganha mais voz por conta da internet, além de ser potencializado pelo individualismo que impera como uma forte característica da sociedade atual. Os casos de bullying retornam às mídias com a tragédia de Goiânia, porém este não é o primeiro aviso à sociedade de que as agressões físicas ou psicológicas sofridas em sala de aula podem levar a outras, como o massacre em Realengo, no Rio de Janeiro.

A internet é capaz de denunciar estes casos, o governo precisa criar soluções práticas dentro dos ambientes escolares, e os pais devem conversar com seus filhos sobre o cotidiano nas escolas, como se comportam e são tratados. “O que não dá é ignorar quando sentimos que as coisas não vão bem”, comenta Ana Cássia Maturano. “Em muitos casos, antes de atos extremos como o da semana passada, a pessoa dá pistas de que precisa de ajuda. Postergar decisões em geral não é um bom caminho”.

 

 

Fonte: Plugcom Comunicação Integrada
Imagem: Djama/Fotolia