A escolha profissional é uma das decisões mais importantes da vida. Se você ainda está em dúvida quanto ao que quer ser “quando crescer”, veja algumas dicas para tomar a decisão certa.

 

CONHEÇA A SI MESMO

Descubra quais são seus pontos fortes, suas habilidades, as coisas de que você mais gosta e as que detesta. Pense em como seria trabalhar nesta ou naquela profissão. Então, separe as carreiras que têm mais ou menos a ver com seus ideais.

 

PESQUISE SOBRE PROFISSÕES

Procure saber como é o dia a dia dos profissionais, quanto ganham e se há perspectivas no mercado para sua área de interesse. Compre um guia de profissões ou pesquise na web. Além disso, converse com quem já trabalha no ramo; visite locais de trabalho, faculdades e workshops.

 

TENHA VISÃO DE LONGO ALCANCE

Não vá na onda dos chamados “cursos em alta”. Vivemos num mundo globalizado, e o que hoje está na moda, amanhã, pode não estar mais. Além de estar pronto para mudanças, é preciso tentar prever as necessidades do mercado lá na frente.

 

COMBINE TRABALHO E LAZER

Veja a possibilidade de associar seus gostos e hobbies à sua carreira. Ter prazer no que faz tornará sua profissão bem mais atraente, e o desempenho será bem melhor.

 

SEJA FLEXÍVEL

Já foi o tempo em que alguém escolhia uma profissão para a vida toda. Atualmente, um profissional fica em média cinco anos em um mesmo emprego. E, para continuar no mercado, é preciso se especializar (pós-graduações, novos cursos, etc.). Por isso, aprenda a ser flexível e se adaptar.

 

PROCURE AJUDA ESPECIALIZADA

Se mesmo com essas dicas, você ainda se sentir confuso, é hora de procurar ajuda profissional. Um orientador vocacional ou um coach de carreira ajudará você a identificar seu perfil e o orientará a escolher a melhor opção.

 

BUSQUE A DIREÇÃO DO ALTO

Pensou que nosso papo sobre profissões não tinha nada a ver com fé? Engano! A melhor dica para acertar na escolha de sua carreira é buscar a orientação de Deus. Podemos fazer planos, mas quem conhece nosso futuro e potencial é Ele (Pv 16:1).

 

 

 

Fonte: Revista Conexão 2.0 – 3º trimestre/2013. Autoria: Eduardo Rueda
Imagem: Julien Eichinger e lyudinka / Fotolia