I. Amar a Deus, as pessoas, a vida. Gostar do cheiro de gente.

II. Não se irritar em vão, ao contrário, ter paciência.

III. Respeitar cada faixa etária e sua maturidade.

IV. Honrar a virtude; dar sempre aos alunos o exemplo de caridade, justiça e humanidade.

V. Não matar a iniciativa e o entusiasmo do aluno.

VI. Ser aberto aos ideais elevados e ter coração sensível aos mais puros afetos.

VII. Não se furtar aos trabalhos.

VIII. Não colocar dificuldade à manifestação espontânea de tendências e interesses dos alunos, mas, ao contrário, favorecê-los para melhor dirigi-los.

IX. Não fazer tudo em um só dia. A educação é obra de persistência e continuidade. Em educação, “perder tempo” é, muitas vezes, ganhá-lo.

X. Não cobiçar elogios e honrarias, nem sequer compensação, mas trabalhar na certeza reconfortante de estar realizando obra de mérito e de contribuir para a felicidade dos homens e dos povos.

 

(Autor desconhecido)

 

Imagem: Helen_f / Fotolia