Um educador cristão é aquele que declara ao mundo sua fé em um Deus Criador, Mantenedor e Salvador da humanidade; por isso, nenhum educador cristão deveria ansiar por nada menos que excelência na sua pratica de trabalho. Segundo o dicionário, a palavra excelente significa: “Excessivamente bom, com ótima qualidade, primoroso, inigualável”. Analisando o conceito, já entendemos por que todos querem ser excelentes, mas ter somente a definição não ajuda o educador. E preciso fazer algo para transformar tudo isso em resultados palpáveis. Algumas dicas:

1. Ter convicção plena do compromisso assumido com a educação cristã.

Jesus concedeu dons aos homens. Ser um excelente educador cristão é lembrar, diariamente, que educamos para a eternidade e para a construção de uma sociedade de pessoas dignas e de caráter integro.

2. Manter comunhão real com Jesus.

Orar, ler a Bíblia e ter vida devocional são pré-requisitos para assumir o papel de um excelente educador cristão. Mostrar a esses jovens que Cristo precisa estar em primeiro lugar, como nosso Salvador pessoal e Senhor de nossas vidas.

3. Ter aptidão para ensinar.

“O professor deve ter sabedoria e o tato exigidos para tratar com as mentes. Por maior que sejam seus conhecimentos científicos e suas qualificações, se não alcançar o respeito e a confiança de seus alunos, debalde serão seus esforços” (Educação, p. 279)*.

4. Conhecer os alunos individualmente.

O educador cristão excelente sabe valorizar a história e o meio de um individuo; por isso, ele busca conhecer as pessoas que vai ensinar, seus sonhos, dificuldades e objetivos, para saber como agir com cada grupo.

5. Buscar aprender.

Para se tornar um excelente educador cristão é necessário, também, entender a urgência de se adaptar às mudanças educacionais do século XXI, inclusive as tecnológicas. “Precisamos adquirir novas competências e habilidades para que os alunos possam aprender a conhecer, aprender a fazer, aprender a viver juntos e aprender a ser” (Unesco, 2010).

6. Ensinar com o coração.

O educador cristão de excelência ama o que faz; por isso, faz com que outros gostem de estar ao seu lado e ajuda na produtividade do grupo. Cumpre com firmeza suas atribuições como planos de aulas, desenvolvimento de projetos, etc.

7. Aprender a escutar.

Dê oportunidade para os alunos se expressarem. Dessa forma, eles perceberão o valor que, de fato, você dá a eles. Escutá-los e o feedback que você precisa para avaliar sua pratica em sala de aula, a fim de descobrir o que deu certo e o que precisa ser mudado.

8. Permitir mudanças.

O educador cristão não deve ter medo de mudar. Deve aprender a testar e a experimentar ações inovadoras e a desenvolver novas técnicas com o objetivo principal de levar os alunos ao aprendizado.

9. Dar segurança e confiança.

O educador cristão de excelência confia em seus alunos e encoraja-os à medida que avançam. Incentiva-os a crescer e a se aproximar cada vez mais de Cristo, fazendo dEle um amigo.

10. Respeitar as diferenças.

Hebreus 13:1 orienta: “Seja constante o amor fraternal”. O amor é o mais importante princípio de ensino. O respeito às diferenças e a tolerância devem ser conjugados com esse principio, tornando favorável a unidade em meio à diversidade, a semelhança na dessemelhança.

O excelente educador cristão deve, então, compreender a necessidade de todos os dias abrir a Bíblia e aprender a conciliar o conhecimento com a prática cristã. Só assim será possível formar pessoas mais humanas, capazes profissionalmente e úteis à sociedade, que amem a Deus e valorizem a família.

 

*WHITE, Ellen G. Educação. Tatui: Casa Publicadora Brasileira, 2007. p. 279.
Fonte: Revista CPB Educacional – 2º semestre 2016.
Imagem: Sindler1 / Fotolia