É possível confundir felicidade com alegria. De fato, isso é fácil. As pessoas vivem em seus pequenos espaços aqui na Terra pensando desfrutar alegria em seu coração, quando, na realidade, o que realmente têm é boa saúde, condições estáveis e estômago satisfeito. O contrário é também possível. É comum alguém estar sobremodo triste e sentir-se tão longe da alegria como o norte está distante do sul, e que nunca a alcançará.

O fato é que se algum elemento externo, circunstância ou pessoa afetarem seu contentamento, então o que possui não é, na verdade, alegria. Alegria é olhar para um quadro mais amplo; é alento para a jornada e não impressões do cenário por onde você passa ao longo do caminho.

Gostar tal como é

Anne Hobbs Purdy, uma jovem que viajou até a remota região do Alaska para ensinar, estava ansiosa para ser aceita pelo povo nativo. Ela perguntou a um dos nativos sobre quando deixaria de ser uma cheechako, “recém-chegada”, e se tornaria uma habitante do Alaska. Ele respondeu que algumas pessoas nunca se tornavam verdadeiros habitantes da região, pois não aprendiam a gostar do Alaska tal como ele era. Elas apenas o toleravam.

Muitos estão habituados a uma vida tranquila. Se o trabalho for penoso, enfadonho ou difícil, por que fazê-lo? Se algo tiver de ser consertado, conserte-o. Se puder ser melhorado, aprimore-o. Porque não é na comodidade que crescemos, mas no desconforto.

Evitar o complexo de mártir

Todos temos, diariamente, a oportunidade de servir o próximo; mas quantos a aproveitam para fazê-lo com regozijo? Experimente isso! Seu trabalho se transformará numa expressão da alegria que flui do coração.

Gratidão

Uma maneira simples de se manter “abastecido” de alegria para a jornada é contar as bênçãos recebidas. Certa vez, quando estava muito deprimida, comecei a escrever um “diário de gratidão”. Cada noite, antes de me deitar, escrevia em meu diário cinco coisas pelas quais estava grata. Algumas vezes era uma tarefa fácil, mas houve ocasiões em que lutei para encontrar cinco razões de agradecimento. Tendo esse “compromisso” cada noite, comecei a observar motivos de gratidão durante o dia, sobre os quais poderia escrever mais tarde. Desse modo, eu estava conscientemente procurando aspectos positivos de minha vida. Logo notei que muitas coisas desagradáveis passaram despercebidas, porque meu cérebro não lhes estava dando importância. Podemos aplicar esse princípio em muitas áreas, inclusive a da alegria.

O que você está esperando?

Não é suficiente estar apenas consciente de nossa alegria, ainda que isso seja o começo. É-nos igualmente importante compartilhá-la. Quando não temos alegria, não há esperança para o futuro. Quando a obtemos, isso faz toda a diferença.

Isso nos traz a alegria de volta

Completamos o círculo quando percebemos que é a alegria que Jesus colocou em nosso coração que nos dá coragem, força e perseverança para prosseguir, obedecer à Sua ordem e cumprir Sua missão. Sem alegria, faremos as coisas mecanicamente e, mais cedo ou mais tarde, entraremos em colapso. Podemos ter essa luz a cada dia. Abasteça-se dessa virtude e comece sua jornada de hoje.

 

 

Fonte: Revista CPB Educacional – 2º semestre 2014.
Imagem: Pictrider / Fotolia