Constantemente somos surpreendidos por notícias de casos de agressão física ou verbal dentro do ambiente escolar. Crianças e adolescentes tornam-se agressores e vítimas. Às vezes, a agressão já vem ocorrendo há algum tempo, de forma velada, até que algo visível ocorre e os adultos (pais, professores e direção da escola) se veem sem saber como intervir. O que pais e professores podem fazer para evitar este tipo de situação?

Monitorar os conteúdos que afetam a mente da criança

O comportamento agressivo não surge do nada. Muitas vezes as crianças ficam expostas a conteúdos como desenhos animados, filmes, jogos eletrônicos, que estimulam e moldam o comportamento agressivo. Por mais inocente que desenhos e filmes infantis possam parecer, é importante que os pais monitorem e filtrem o que os filhos estão assistindo. Muitos conceitos que tornam legítimos, ao olhar da criança, o seu comportamento agressivo, são transmitidos através destes veículos.

Ensinar a criança a lidar com sentimentos ruins

Muitas crianças possuem dificuldade em lidar com frustrações. Não gostam de ser contrariadas, e não sabem reagir bem ao sentirem emoções negativas como vergonha, raiva e chateação. Muitas vezes o comportamento que elas emitem em resposta a essas emoções são de agressividade, seja para com outra pessoa (uma criança ou um adulto), seja para com alguma coisa (a carteira, um livro, um estojo). É muito importante que dentro do processo de educação doméstica e escolar as crianças sejam ensinadas a reagir bem às emoções ruins.

Ensinar a criança a solucionar problemas

Além de ensinar crianças a lidarem com as emoções ruins, é preciso ensina-las a solucionar problemas. O comportamento agressivo, muitas vezes ocorre em resposta a uma situação de conflito. “Eu bati nele porque ele quebrou o meu lápis”. Haveria outra forma de solucionar este problema (do lápis quebrado) que não batendo no colega? As crianças precisam aprender que existem soluções de problemas mais saudáveis que a agressividade.

Desenvolver atividades colaborativas

A prática de atividades colaborativas auxilia no desenvolvimento de comportamentos sociais mais assertivos, como comportamentos altruístas. Por outro lado, atividades competitivas podem estimular comportamentos sociais inadequados, tais como provocações entre as crianças. Tanto na escola, quanto em casa é importante que a criança seja envolvida em atividades do tipo colaborativas, para que ela aprenda a viver em sociedade de forma adequada.

Dar o exemplo

Tudo isso que precisamos ensinar às crianças precisa primeiro ser praticado por nós adultos. Muitos adultos não sabem lidar com sentimentos ruins. Pais e professores sob ação do estresse dizem e fazem coisas que também têm caráter agressivo. Muitos adultos também não sabem resolver problemas sem apelar para a agressividade. Isto fica bem evidente quando o problema tem a ver com algum comportamento inadequado da criança. Muitas vezes a solução imediata do adulto é gritar, bater, falar coisas terríveis para punir, e isto também é agressividade. Como podemos esperar que uma criança que costuma ser exposta a isto reaja de forma pacífica frente aos seus próprios conflitos. Em algum momento este modelo que ela está recebendo será utilizado.

Levar a criança a um profissional

Em alguns casos, a criança que está tendo comportamentos agressivos precisará de acompanhamento profissional. É importante que os professores percebam isto e aconselhem aos pais. Igualmente importante é que os pais dêem ouvido aos professores e levem seus filhos a um psicólogo para uma avaliação. Às vezes a criança sofre com algum tipo de problema para o qual pais e professores não estão aptos a lidar. O comportamento agressivo pode ser apenas uma denúncia de que este problema existe.

 

 

Imagem: Vanlev / Fotolia