Disortografia tem o mesmo significado que disgrafia, ou seja, é uma inabilidade ou atraso no desenvolvimento da linguagem escrita, especialmente da escrita cursiva. É toda a perturbação na identificação, compreensão e reprodução de símbolos escritos. Ela está intimamente associada à dislexia.

Conheça mais:

Para facilitar

Escrever com máquina datilográfica ou com o computador pode ser muito mais fácil para quem tem problemas com a linguagem escrita.

Causas prováveis

90% dos casos conhecidos de disortografia relacionam-se com atrasos no aprendizado da linguagem e 10% com disfunções neurológicas.

Sinais característicos da disortografia

Constante troca de grafemas: faca / vaca, chinelo / jinelo, porta / borta;

  • Confusão de sílabas: comeram / comerão;
  • Adições: telelevisão; Omissões: cadeira / cadera, prato / pato;
  • Fragmentações: en saiar, a noitecer;
  • Inversões: pipoca / picoca; Textos muito curtos;
  • Palavras com letras amontoadas ou palavras ligadas umas nas outras: No diaseguinte, sairei maistarde;
  • Falta da ordenação da escrita pelo uso de parágrafos, travessões, pontuação e acentuação;
  • Frases desorganizadas.

Sinais característicos apresentados pela criança com disortografia

  • Não tem vontade de escrever;
  • Quando tem que escrever, fica ansiosa e com medo de errar;
  • Não entende por que não consegue acertar;
  • Compara-se com outras crianças da classse;
  • Consequente baixa autoestima.

Ações e atitudes adequadas de professor e pais

  • Evitar o uso de canetas vermelhas na correção dos cadernos e provas;
  • Dizer para a criança que, com paciência, perseverança, exercício e apoio, ela será capaz de melhorar seu desempenho;
  • Usar material multissensorial para estimular seus sentidos, especialmente o tato e a audição;
  • Escrever sobre uma folha plástica grande, com mostarda, creme de barbear, gel para cabelo;
  • Com o dedo: escrever com tinta a dedo e / ou com anilina diluída em mingau de água com amido de milho sem açúcar, com um pouco de sal para durar mais tempo na geladeira (você pode separar o mingau em três ou mais potinhos para fazer cores variadas);
  • Construir palavras com letras, blocos ou peças de madeira;
  • Projetor e sistema de som. (Atenção às crianças com Transtorno de Déficit de Atenção / Hiperatividade – TDAH. Alguns destes estímulos podem se excitantes demais.);
  • Trabalhar os grafemas em papel quadriculado grande, com letras que ocupem toda a folha e ir diminuindo o tamanho aos poucos, à medida que a criança adquire autonomia na escrita do estágio trabalhado. Isso pode ser feito com um modelo ao lado da folha para que ela o imite, ou pontilhar a letra na própria folha da criança para que ela a cubra;
  • O professor deve procurar se manter calmo diante dos erros ortográficos e gramaticais persistentes e acreditar na capacidade da criança de aprender;
  • Estimular a memória visual da criança por meio de quadros com letras do alfabeto, números, famílias silábicas;
  • O professor deve certificar-se de que compreende o que a criança precisa e ajustar o material ao estilo de aprendizagem dela;
  • Usar exercícios de trava-língua, promovendo a consciência fonológica da criança com dificuldade em leitura, escrita e ortografia. Brincadeiras, jogos ou movimentos corporais com parlendas, que são conjuntos de palavras com arrumação rítmica em forma de verso, que podem rimar ou não. A parlenda melhora a memorização.

Profissionais que podem ajudar

Fonoaudiólogos, psicólogos, psicopedagogos.

 

Referência:
FRANK, Robert; LIVINGSTON, Kathryn E. A vida secreta da criança com dislexia. M Books do Brasil Editora.
Fonte: Revista Adventista – 1º semestre de 2014.