Chegou a hora da tão aguardada (ou assustadora) ida à escola. O primeiro grande passo para a independência dos pequenos. E nem sempre esse momento é tão agradável ou fácil. Como passar por esse processo sem traumas? A mestre em Ciência da Educação e psicopedagoga, Aldilena Melo, dá algumas dicas para a ambientação escolar.

“Sabemos que, assim como os adultos, as crianças precisam de rotinas, e a mudança nem sempre é aceita de forma tranquila. Quando se fala de escola soma-se a isso a famosa ansiedade, que não podemos deixar de considerar”, comenta a diretora da Escola Adventista de Imbituba, SC.

Veja algumas dicas para quem passará por esse momento:

  1. Visite a escola antes e verifique se é o que você deseja e confia para o seu filho. Compartilhe de forma clara com a sua criança o motivo da mudança. Transmita a sua satisfação, pois ela precisa ser conquistada para aceitar essa nova ideia;
  2. Reflitam juntos sobre os ganhos (novidades), sobre as trocas (o que a sua criança poderá ensinar e aprender), sobre as possibilidades (novos amigos, por exemplo);
  3. Leve o seu filho para fazer um tour pela escola. Esse passeio favorecerá e diminuirá a insegurança do primeiro dia;
  4. Procure ouvir, acompanhar e dar ideias positivas para que ele consiga vencer seus desafios;
  5. Evite fazer comparações entre espaço escolar, métodos ou amiguinhos novos (caso esteja vindo de outra escolinha);
  6. Acompanhe o rendimento acadêmico, envolvimento e interação da sua criança no espaço escolar.

Nesse período, um bom programa de acolhimento da escola para com o aluno, incluindo a família, garante um sucesso nessa relação. Para isso, Aldilena comenta que os profissionais que apresentam a escola e os projetos de uma forma calorosa, fazem a diferença.

 

E se mesmo assim a adaptação não der certo?

Contudo, toda mudança tem o processo de adaptação, e o novo tem a tendência de assustar. Por isso, é importante sempre o acompanhamento do desenvolvimento em todas as relações que estão sendo estabelecidas neste primeiro momento. “É considerado normal um período de adaptação nos primeiros 15 dias, dentro da opinião de alguns psicólogos, mas algumas crianças apresentam dificuldades por vários fatores, como histórico de traumas, experiências negativas no lar ou em outras escolas, filhos únicos, crianças especiais, entre outros. Com certeza deve haver uma investigação a fim de compreender este comportamento”, cita Aldilena.

Algumas perguntas precisam ser respondidas:

  1. A criança está sendo bem acolhida?
  2. A família está segura quanto ao espaço, proposta e profissionais que lidam com ela?
  3. Esse é um comportamento recorrente da criança?

Caso esta não seja a situação do seu filho, comemore! Muitas vezes, as crianças demonstram uma fácil adaptação que para os pais ao invés de ser uma vitória, passa a ser um sofrimento devido à separação.

Na tentativa de amenizar essa dor, a psicopedagoga diz que é importante afastar o sentimento de culpa que incomoda a muitos que ainda estão inseguros quanto ao momento certo de deixar a criança na escola.  A compreensão que essa “separação ” momentânea é importante para o desenvolvimento e independência da criança facilitará a aceitação.

“Os pais devem motivar e sentirem-se motivados a deixar seus filhos na escola. Não podem passar sua angústia e preocupações para os filhos. Então, visitar a escola, conversar com a professora, entender a dinâmica da mesma, evitar possíveis preconceitos, dar tempo ao tempo, buscar cumplicidade em todo o processo de adaptação será de grande valia para ambos”, finaliza Aldilena.

 

FIQUE DE OLHO NA SEMANA DE ACOLHIMENTO

 

 


Imagens:
Nadezhda1906/Fotolia
Tanja/Fotolia
Okalinichenko/Fotolia