Lendo a Bíblia encontramos a origem da celebração da Páscoa. É uma história bem conhecida e emocionante. Naqueles dias o povo de Deus, o povo de Israel, era escravo do Egito. Mas chegara a hora em que Deus queria dar um ponto final nessa situação. Moisés foi o escolhido para liderar o povo na difícil empreitada. Colocado diante do Faraó, Moisés levou a mensagem de Deus: “Deixa o povo de Israel ir embora”. Coração duro, Faraó disse não.

A partir desse primeiro não, outros nove se seguiram mesmo com o derramamento de pragas terríveis sobre o povo egípcio. Até que finalmente chegou a décima praga. Deus sabia que era o momento final e mandou que o povo se preparasse para sair do Egito.

A décima praga envolveu a morte de todo primogênito. Todo o primeiro filho na casa dos egípcios, na casa dos israelitas e até entre os animais estava condenado a morrer. Mas havia uma saída. Conforme orientação dada por Deus, através de Moisés, cada família israelita matou um cordeiro e espalhou seu sangue nos umbrais da porta de entrada de sua casa. Na noite determinada por Deus, o anjo da morte passou. Houve pranto, choro e muita dor nas casas egípcias. Mas nos lares israelitas houve paz. Nenhuma morte. O anjo “passou por cima” das casas israelitas e poupou seus filhos. Daí vem o nome “Páscoa”, do hebraico, “Pessach”, que significa, “Passagem”.

A história tem mais detalhes que enriquecem essa breve descrição. Se você quiser, leia o texto completo nos primeiros capítulos do livro bíblico de Êxodo.

O tempo passou e Jesus veio a este mundo. Viveu e morreu por nós. Foi o Cordeiro perfeito que derramou Seu sangue por todos. Hoje, a cristandade comemora, na Páscoa, a ressurreição de Jesus. Quer dizer… Será que comemora mesmo?

Pesquisando sobre o assunto, na internet, encontrei as seguintes informações: “Os símbolos da Páscoa são: os ovos (que simbolizam vida), o chocolate (criado na Europa e rapidamente se espalhou pelo mundo), o coelho (atualização do símbolo pascoalino, a lebre, considerada sagrada para a deusa Eostre) e a pomba (um símbolo cristão)”.

Além disso, encontrei as seguintes tradições pascoalinas: no Canadá as crianças acreditam que o coelho da Páscoa lhes trará ovos coloridos, normalmente confeitados. Todos compram roupas novas para a ocasião. Na Suécia há uma superstição sobre as bruxas. Dizem que elas ficam mais poderosas nessa semana e voam para todos os lados em suas vassouras.

Pergunto: onde está Jesus?

Jesus foi ao extremo quando entregou Sua vida por nós na cruz. Morrer do modo como Ele morreu era a pior forma de tortura naquele tempo. E Ele fez tudo aquilo pensando em você e em mim.

É hora de ensinarmos nossas crianças e jovens o que é a Páscoa. Agora, é um ótimo momento para reflexão. Mas não é só na Páscoa que devemos nos lembrar do sacrifício feito por Jesus na cruz do Calvário. Lembrar disso é tarefa para todos os dias. Em todos os momentos devemos ter bem claro em nossa mente o tamanho do sacrifício feito por Ele.

E se há um símbolo para o Páscoa, esse símbolo é o sangue do Cordeiro perfeito, o sangue de Jesus.