Alguns estudiosos das relações familiares apontam vários tipos de pais. Por exemplo, Meibel Mello Guedes, em seu livro Quem ama ensina, nas páginas 57 e 58, menciona os seguintes:

Pais autoritários: estão sempre mandando e seus filhos se tornam temperamentais e explosivos.

Pais permissivos: não impõem limites e criam filhos com dificuldades de lidar com suas emoções e de se relacionar.

Pais possessivos: são superprotetores e criam filhos que não sabem tomar decisões.

Pais sem amor: tem dificuldade para amar e criam filhos incapazes de dar afeto.

Pais dos extremos: pai inflexível e mãe muito maleável, ou vice-versa; criam filhos divididos e inseguros.

Pais preparadores emocionais: valorizam os estados emocionais e criam filhos que tem autonomia e sabem se governar.

 

Com base nessas categorias, como são os seus pais? Não importa o estilo deles, você deve honra-los. Isso faz parte da lei divina, como vimos neste módulo.

Na qualidade de recebedores originais da lei, os judeus sempre valorizaram a ordem divina para obedecer aos pais. Como se sabe, os Dez Mandamentos foram escritos por Deus em duas tabuas. A primeira focalizava o relacionamento com Deus, enquanto a segunda regulava as relações com o próximo. Para os sábios judeus, a importância de honrar os pais é vista no fato de o 5º mandamento aparecer na primeira tabua da lei.

O rabino Yeruchem Eilfort, líder espiritual na Califórnia, observa que essa obrigação “e um aspecto tão critico da nossa existência que somente ao cumprir essa lei podemos apreciar plenamente nosso relacionamento com o Todo-poderoso”. Ele acrescenta que não há um Dia das Mães ou Dia dos Pais no calendário judaico, porque devemos honrá-los todos os dias.

Hoje, infelizmente, vivemos numa época em que muitos filhos não respeitam os pais, chegando ao absurdo inominável de matá-los, e muitos pais não respeitam os filhos. As famílias estão mais distantes e fragmentadas, tanto no sentido físico como no emocional. Mas podemos tentar melhorar as relações e fortalecer a família. Para isso, procure ouvir seus pais, prestar atenção ao que dizem, dialogar com eles, respeita-los, obedecer-lhes, elogiá-los, ajudá-los e apoiá-los.

Alguns anos atrás, o Dr. Nick Stinnet, presidente do Departamento de Desenvolvimento Humano e Família da Universidade de Nebraska, dirigiu um estudo de alcance internacional e descobriu seis fatores que tornam uma família bem-sucedida. Numa família forte, os membros:

  • são comprometidos com o núcleo familiar;
  • gastam tempo juntos;
  • têm boa comunicação familiar;
  • expressam apreciação uns aos outros;
  • têm um compromisso espiritual;
  • são capazes de resolver os problemas nas crises.

Se você honrar seus pais, cooperando para o bem-estar de sua família, a promessa divina e que isso irá ajuda-lo a ter uma vida mais longa e feliz. Ao honrar os pais, você honra Deus, o doador da vida, e honra sua própria vida.

 

Autoria: Adolfo Semo Suárez, Marcos de Benedicto, Rodrigo P. Silva
Fonte: Sistema Inter@tivo de Ensino – Ensino Religioso Fasc. 7
Imagem: Ratkom / Fotolia