Com um computador e muita curiosidade, estudantes podem visitar os museus mais famosos do mundo sem sair de casa. A lista de instituições internacionais que já contam com um tour virtual cresce a cada ano. Isso inclui o Louvre e o Museu Americano de História Natural.

Além do momento de diversão, os professores podem aproveitar as visitas para ampliar o repertório de algumas disciplinas do Ensino Fundamental e Médio. O acesso a todas as plataformas é gratuito e há descrição das obras e galerias em inglês. Outra estratégia que pode ser utilizada em sala de aula é a busca pelos museus brasileiros que já possuem o formato digital e também merecem um passeio.

Veja a lista e os endereços na web:

Museu do Louvre
www.louvre.fr/en/visites-en-ligne

O Louvre não leva à toa o título de “mais famoso e visitado do mundo”. Estão ali a Mona Lisa, a escultura do Vênus de Milo e uma infinidade de antiguidades egípcias (sarcófagos, múmias e papiros). O prédio que abriga o museu é um capítulo à parte. Vale ainda discutir em classe um tema bem polêmico para os franceses: a pirâmide futurista colocada ao centro da praça “apaga” a arquitetura clássica do entorno?

 

Museu de História Natural dos Estados Unidos
mnh.si.edu/vtp/1-desktop/

Se o assunto é ciência e a origem da vida no planeta Terra, o museu em Nova York é o melhor destino. Para começar, um imenso Tiranossauro Rex é quem dá boas-vindas aos visitantes. Estão reunidos ali mais de 30 milhões de fósseis, coleções de esqueletos de dinossauros, múmias e muitos outras relíquias históricas.

 

Museu do Prado
museodelprado.es/coleccion/obras-de-arte

Voltando à Europa, agora na Espanha, o Museu do Prado é bem convidativo àqueles que querem conhecer as principais obras dos séculos XVI, XVII e XVIII. Diego Velàzquez (autor de “As meninas”) e Francisco Goya (primeiro pintor da câmara do rei) são alguns dos artistas cujas obras estão expostas no prédio.

 

Museu do Palácio Nacional de Taiwan
npm.gov.tw

A lista termina no outro lado do mundo, em Taipei. Por ali, se encontra a maior coleção de arte chinesa (fora da China). São mais de 600 mil peças desde o neolítico até a Dinastia Qing. Mesmo pela tela do computador é possível apreciar os tecidos, as esculturas de bronze e artigos religiosos expostos.

 

Fonte: Assessoria de Comunicação e Imprensa/Secretaria da Educação do Estado de São Paulo.
Imagem: thampapon1/Fotolia