Muitos professores acreditam que, quando falamos em tecnologia, estamos tratando apenas do uso da internet, mas tecnologia é tudo que foi criado para melhorar e otimizar o tempo e as atividades do ser humano.

Os recursos tecnológicos podem marcar presença nas aulas de química. Os vídeos com animações sobre o assunto estudado podem ser um recurso eficaz, pois certos conteúdos são mais facilmente compreendidos pelos alunos quando esses são visualizados e ultrapassam o nível de abstração.

Outro recurso é o Power Point, uma ferramenta que facilita a abordagem do assunto. As apresentações em Power Point podem ser elaboradas pelo professor para introduzir um conceito, mas também podem ser usadas pelos alunos em seminários, trabalhos em grupo, etc.

 

Uma experiência

Uma experiência que envolveu a tecnologia e que deu certo nas minhas classes foi o uso da rede social Facebook. Fora do horário de aula, criei um grupo fechado no “Face” para enviar comunicados específicos da disciplina, mostrar exercícios interessantes, com maior grau de dificuldade, vídeos explicativos, links de sites com conteúdo complementar e eventuais listas de exercícios para os alunos tirarem dúvidas. Foi criado um grupo para cada ano do Ensino Médio.

Gosto do Facebook por conta do recurso “visualizado por” e por poder fazer upload de arquivos em Word, PowerPoint, PDF, vídeos, links. Ou seja, essa rede social seria útil para aquilo que eu havia me proposto fazer.

 

Um obstáculo

O problema é que muitos alunos não possuíam uma conta no Facebook (por escolha ou decisão dos pais), e, por conta disso, eu precisava enviar todo o conteúdo via e-mail para esses alunos. Alguns usavam o endereço eletrônico dos pais para isso. Outro desafio era que muitos alunos demoravam bastante para visualizar e, quando o faziam, utilizavam todo tipo de desculpa para justificar o fato de não terem acessado o conteúdo.

 

Uma solução encontrada

Para resolver o primeiro problema, criei um blog. Um dos menus do Portal <cpbedu.me> apresenta justamente a possibilidade de criação de um blog. Alguns professores já usavam essa ferramenta, então resolvi utilizá-la também.

Lá eu dividi os conteúdos por turma e inseri tags para especificar o público e o assunto. Coloquei também todo tipo de mídia. A partir da criação do blog, passei a não mais utilizar Xerox de listas de exercícios em sala.

Quando postava uma lista de exercício que iria cobrar, por exemplo, eu os comunicava em sala de aula e pedia para alguns colegas relembrarem a turma.

Utilizar a mídia digital em sala de aula não é trabalho fácil, pois gasto, em média, 6 horas em cada vídeo gravando e editando, mas é compensador.

Vários alunos acessavam e me procuravam no intervalo, no início ou fim da aula para tirar dúvidas ou, ainda, escreviam um comentário na postagem.

 

Outros recursos

Outro recurso que utilizei foi o WhatsApp. Criei um grupo juntamente com a professora de Língua Portuguesa a fim de informar os alunos a respeito de questões relacionadas às disciplinas e à escola de modo geral. Também tiramos dúvidas e falamos sobre os projetos, feiras e afins.

Pude também realizar um trabalho de revisão de conteúdos por meio de áudios, fotos de exercícios e links de conteúdos. Foi importante estabelecer o horário de atendimento; afinal de contas, sabemos que o professor tem muitas outras atribuições para cumprir. De maneira geral, porém, o sistema de limitar o tempo funcionou bem.

O Socrative é um aplicativo gratuito que deu certo como outra estratégia de trabalho, tanto em sala de aula quanto fora dela. A correção de exercícios ficou muito mais simples e se tornou um critério interessante de avaliação para atividades com peso menor que uma prova, por exemplo.

Por fim, o último recurso que tenho utilizado é o canal do YouTube. Vários alunos já possuem algum tipo de canal nesse portal. Usei essa ferramenta para divulgar videoaulas com exercícios mais complexos.

Minha motivação foi que alguns alunos têm muita facilidade para aprender quando o professor está explicando, mas se esquecem com facilidade do que ouviram. O vídeo possibilita ao aluno recordar a aula do professor ou assisti-la a partir de outra abordagem.

Utilizar a mídia digital em sala de aula não é um trabalho fácil, pois gasto, em média, 6 horas em cada vídeo, gravando e editando, mas é compensador. Existem na internet vários tutoriais explicando como criar vídeos, inclusive usando a escrita digital.

Os resultados foram visíveis. Os alunos gostaram muito desse recurso, e tivemos quase 100% de visualizações em todo o primeiro ano do Ensino Médio.

O próximo passo será aprimorar o blog <blog.cpbedu.me/profdiogo> e as videoaulas, colocar uma vinheta de abertura, padronizar os títulos para facilitar a busca do aluno, entre outros. Tenho certeza que diversificar os recursos e incluir a tecnologia em sala de aula trarão grandes benefícios não só para o aluno como também para o professor.

 

Fonte: Revista CPB Educacional – 2º semestre 2016.
Imagem: Belkin & Co, Theromb, Production Perig/Fotolia