Muitas escolas já oferecem aulas de inglês instrumental desde a Educação Infantil. Contudo, as relações internacionais têm-se expandido de modo que as pessoas precisam muito mais do que saber ler e interpretar. Além disso, exige-se delas o saber falar fluentemente, improvisar e argumentar publicamente para expor ou defender ideias, dialogar com eficiência para uma excelente comunicação.

Pensando nisso, escolas adventistas da Região Sul buscaram modelos de programas e projetos bilíngues que pudessem atender às necessidades que emergiram no território brasileiro.

Os gestores visitaram escolas que oferecem outras línguas no horário regular de aula, contataram empresas que oferecem programas dessa natureza, estudaram teorias, experiências e legislação, especialmente do Rio de Janeiro e de Santa Catarina. Em 2017, também participaram da apresentação, orientação e debate da Resolução CEE/SC no 87, de 22 de novembro de 2016, e do Parecer CEE/SC no 200 aprovado em 22 de novembro de 2016.

Foi organizada uma comissão para estudar e realizar um programa que pudesse unir o currículo de Língua Portuguesa com o de Língua Inglesa. A intenção era de que os estudantes pudessem aprender a pensar as mesmas coisas em duas línguas e pudessem construir o próprio repertório dentro de abordagens criteriosamente selecionadas. Então, o Colégio Adventista de Florianópolis (centro) foi escolhido para desenvolver o projeto-piloto dessa experiência, sendo orientado e incentivado pela administração local, pela administração da Rede Adventista de Ensino e pela Casa Publicadora Brasileira.

O trabalho teve início com a Educação Infantil 4 anos seguindo gradativamente para os anos e níveis de ensino seguintes. O plano era oferecer uma hora de aula diária desde a Educação Infantil até o nono ano, seguindo com High School no Ensino Médio. Nas primeiras semanas os alunos já mostraram que entendiam a professora de Língua Inglesa e começavam a interiorizar o próprio repertório. A experiência deu certo, e percebeu-se que o caminho traçado estava correto.

O material bilíngue foi organizado a partir dos temas já trabalhados no programa de Educação Infantil, em Língua Portuguesa, da CPB Educacional. Os assuntos abordam necessidades diárias dos alunos: conhecer a si e o seu entorno, identificar os ambientes em que circula, desenvolver noções de ambientes mais distantes, reconhecer ações de pessoas que estão próximas ou em outras partes do mundo, etc.

Os livros de 4 anos ensinam sobre a alimentação saudável, os animais e as ações das pessoas. As crianças podem aprender a plantar hortaliças e a dialogar sobre os temas que envolvem a relação entre a vida rural e a vida urbana. Trabalham também os cômodos de uma casa, o quintal e a rua, interagindo com as pessoas desses ambientes, sempre considerando o repertório prático para aplicação imediata.

Os livros de 5 anos relacionam os ambientes do Brasil com outros países. Promovem uma interação com conceitos que aprofundam a percepção de modelos de escolas, alimentação, espaços turísticos, animais e modos de transporte. Simulam uma viagem de avião pelo mundo, incentivando a interiorização do repertório de comunicação que cada aluno utilizará em suas experiências reais. Ao mesmo tempo, esse material ensina como organizar as coisas, como preparar uma mala de viagem e como tratar as pessoas.

Na utilização em sala de aula, observou-se que esse modo de ensinar e aprender inglês também contribui para aprofundar os conhecimentos dos demais campos de experiências e disciplinas.

 

Paradidáticos para Ensino Bilíngue

 

O programa trabalha com a abordagem comunicativa, que desafia o estudante a utilizar a língua inglesa em situações concretas e reflexivas do cotidiano. A abordagem CLIL (Content and Language Integrated Learning) também é utilizada, pois visa ao ensino e à aprendizagem da língua estrangeira de forma integrada com os conhecimentos já vistos na língua materna. Tarefas em sala de aula e em casa, unidas às experiências comunitárias, contribuirão para uma aprendizagem que valoriza o ser humano, as boas ações cidadãs e a vida cristã.

De modo cooperativo, um estudante auxilia o outro no desenvolvimento integral. A aprendizagem acontece de forma semelhante à língua materna: ouvir, interagir, interiorizar e se expressar. A criança usa palavras entremeadas por frases da língua portuguesa, amplia a utilização para enunciados completos, textos, até a comunicação total e a improvisação. O programa ainda oferece desafios de aprofundamento e de fixação mediante atividades lúdicas como: dramatizações, jogos, materiais concretos desafiadores, canções, etc.

O diretor do Colégio Adventista de Florianópolis (centro), Douglas Leal, afirma que o projeto começou, inicialmente, com a formação dos professores. Então, a escola se mobilizou, e toda a equipe de profissionais aderiu à ideia. A promoção foi feita por meio de banners e fôlderes. Foram mais de 20 mil visualizações em mídias sociais. A inserção do selo bilíngue nos materiais de promoção de matrículas também favoreceu a grande adesão. Os pais ficaram empolgados porque as aulas são no turno normal, as mensalidades já contemplam os valores, é um programa cristão, e as aulas são 100% em inglês.

O feedback tem sido positivo. Os familiares demonstram satisfação ao perceberem a evolução das crianças na língua inglesa. Elas se utilizam de palavras e frases completas, aproveitando a língua materna para complementar o vocabulário que ainda estão desenvolvendo.

Enfim, a experiência tem dado muito certo.

 

 

Por Anilce Bittencourt Littke