A TECNOLOGIA, EM TODO RAMO PROFISSIONAL, permite que o acesso à informação seja cada vez mais fácil e rápido. A educação foi uma das áreas que mais sofreu influência da tecnologia. Se fizermos uma busca no passado, veremos que houve um turbilhão de mudanças com o surgimento de itens como: o giz, o quadro-negro, o mimeógrafo, o projetor, o lápis, a caneta, o corretivo, os cadernos e os livros escolares. Tudo foi transformado, desde a maneira de ensinar até a de aprender.

Diante dessa nova realidade, como está o ensino? Quais os reflexos para a vida do aluno e do professor? Como a tecnologia contribui para a educação?

A transformação é rápida e assustadora, mas, ao contrário do que muitos pensam, a tecnologia não é uma adversária, tampouco uma inimiga.

Para os professores mais experientes no “mundo digital”, ela é uma poderosa ferramenta de trabalho e pode, sim, contribuir para o processo de ensino– aprendizagem. Porém, os resultados dependem da maneira como será explorada e utilizada dentro e fora da sala de aula.

Um aspecto que deve ser levado em conta em relação à revolução tecnológica é a resistência de alguns professores em recorrer aos recursos tecnológicos disponíveis, algumas vezes por medo de mudança, ou quem sabe por despreparo em relação a tudo que envolve essa ferramenta. Em outros momentos, a resistência ocorre por aspectos como: a didática envolvida, o tempo de aula, a disponibilidade de meios (recursos e internet) ou a própria limitação do professor.

Certamente a otimização do tempo é uma das principais vantagens que a tecnologia proporciona ao meio escolar, além de contribuir para o aprendizado. Sua utilização também tem servido como ferramenta estratégica para aproximar o estudante da aula.

Imagine, por exemplo, uma aula de 50 minutos em que o professor escreve o conteúdo na lousa e o aluno, em segundos, captura a imagem com a câmera do seu celular. Considere também os vários aplicativos disponíveis na internet, que trariam benefícios para o professor, ao ministrar suas aulas, e tornariam o aprendizado mais interessante para os alunos.

Todavia, mesmo com a tecnologia a favor do professor, a criatividade ainda é uma peça-chave para transformar o sistema de ensino em algo atraente e produtivo.

É importante destacar, ainda, que certos cuidados devem ser tomados para não transformar a aula em um show tecnológico, distorcendo o objetivo do ensino. Afinal, nenhuma ferramenta, por melhor que seja, substitui a informação e o professor.

 

Por Doris Barrinuevo Martins de Lima