Vivemos em um mundo em que pessoas diferentes têm valores diferentes. Qualquer casal pode compartilhar alguns valores e discordar de outros. Às vezes são até contraditórios! Alguns valores, porém, são unânimes: cuidado, responsabilidade, coragem, lealdade, curiosidade, sabedoria e ética. Esses são respeitados pela maioria das pessoas. Até mesmo as culturas tendem a enfatizar alguns valores em relação a outros, por exemplo: os americanos valorizam a interdependência e a individualidade. Os japoneses valorizam a cooperação e a integração. Mas ambos estimam e estimulam a educação.

As pessoas demonstram seus valores por meio de suas ações. Alguém que acredita em cuidado verificará se o vizinho idoso necessita de alguma coisa ou ajudará uma criança chorando perdida em um shopping. Alguém que valoriza a responsabilidade certificar-se-á de que o óleo do carro seja trocado regularmente, pagará as contas em dia e manterá os compromissos.

A melhor maneira de conciliar todos os valores é recorrer ao Ensino religioso, pautado na Bíblia. A qualquer pedagogia de ensino de valores, em todos os níveis, nas mais variadas técnicas, com material de qualidade, se aplicará Deuteronômio 28:13: “E o Senhor te porá por cabeça, e não por cauda; e só estarás em cima, e não debaixo, se obedeceres os mandamentos do Senhor teu Deus, que hoje te ordeno, para os guardar e cumprir.”

Esse versículo se aplica principalmente ao ensino da Bíblia em nossas escolas. Quando falamos em ensinar a Bíblia, falamos: de nossa missão total; de nossa tarefa básica no mundo: ensinar a palavra; em pregar o evangelho e preparar pessoas para um encontro com Jesus!

A razão primordial de uma escola pautada em princípios cristãos é compartilhar o ensino da Bíblia, por preceitos e por exemplo. Muitos Sistemas de Ensino podem ensinar Português, Matemática, Ciências… mas nem todos ensinam de modo eficaz.

A escritora norte-americana Ellen White escreveu: “Apresente a nossos filhos a Ciência da Palavra de Deus e eles estarão seguros” (CPPE*, p. 16).

“Em nossas escolas devemos recordar as lições de histórias bíblicas aos jovens e crianças para que eles amem a Deus e tenham interesse em coisas espirituais, e passem a interessar-se e aprender a amar a Palavra” (ibidem, p. 349).

Perderemos nossa missão se estivermos ansiosos em copiar outros modelos, e passaremos a duvidar de nosso plano básico, que é o ensino da Bíblia, mostrando o viver saudável e ajudando na formação do caráter. Essa é uma contribuição da escola para a solução dos problemas do homem e da sociedade como um todo.

Ellen G. White escreveu ainda: “O estudo da Bíblia em nossas escolas dará aos estudantes vantagens especiais” (ibidem, p. 346).

“O estudante diligente da Bíblia crescerá constantemente em conhecimento e discernimento” (ibidem, p. 346).

Podemos citar muitos exemplos de pessoas que jamais teriam conhecido a Deus e aos valores verdadeiros se não fosse por intermédio da escola e do ensino da Bíblia.

“Nossas escolas devem ser como as escolas dos profetas. E nelas hão de estudar fervorosamente as verdades bíblicas” (ibidem, p. 270).

“Os estudantes de nossas escolas devem considerar o conhecimento de Deus como algo que está acima dos demais” (ibidem, p. 343).

A razão para um pai colocar seu filho em uma escola cristã ou com valores morais caracterizados como missão é:

  • promover o ensino espiritual;
  • transmitir os verdadeiros valores;
  • desenvolver e consolidar o caráter.

Há um só poder que pode combinar corpo, mente e espírito. Esse poder é o ensino da Palavra de Deus!

Deus declarou seu propósito de ter na Terra uma escola onde a Bíblia tivesse um lugar de destaque na educação de crianças e jovens. Não nos esqueçamos de integrar fé e ensino em nossas aulas.

 

Adaptado de: WHITE, Ellen G. Conselhos aos pais, professores e estudantes. Tatuí: Casa Publicadora Brasileira, 1994.