Durante as aulas, os professores abordam assuntos previstos no conteúdo programático anual. E para tornar as aulas mais significativas, as práticas são indispensáveis. Fazer com que o aluno se torne agente da construção do seu próprio conhecimento, e que esse seja efetivo, é o maior desafio do professor (mediador), porém, durante o trabalho de aprendizagem e fixação do conhecimento, faz-se necessário o aluno rever o que foi estudado, praticar e registrar o conhecimento aplicado, ou seja, lá vem a tarefa de casa.  E agora?!

Bem, quem entra em cena nesse momento, e de papel fundamental, são os pais, ou responsáveis pela criança. Sim, mas não se desespere, para que o dever de casa se torne algo construtivo e prazeroso, darei algumas dicas preciosas.

Primeiramente, é importante lembrar que o estudante precisa – além de boas condições físicas como, estar sem sono e alimentado – de um espaço apropriado. O lugar em que a criança faz tarefa deve ter todos os materiais organizados e em mãos, ter boa iluminação, ser ventilado e principalmente: longe de ruídos, barulhos que a desconcentrarão, isso mesmo que você pensou ao ler essas últimas linhas: longe de aparelhos eletrônicos como televisão, rádio, celular e computador, esse último, pode e deve ser usado para pesquisas sobre o tema, mas também, deve ser monitorado por um adulto para não perder o foco da tarefa.

É oportuno ressaltar que é conveniente orientar a criança a começar das tarefas mais difíceis para as mais fáceis. Outro ponto a ser percebido, é o momento em que precisa ser dado um “tempo”, quando a tarefa for muito extensa, proponha um momento de descanso e assim, o retorno às atividades se dará com mais vigor.

Em todo momento, estimule-a a ler os enunciados e peça que explique a você o que entendeu. Dependendo do nível escolar, você deverá ler os enunciados à criança, debater sobre a proposta da questão e deixá-la executar o que está sendo pedido. Note que, em muitas vezes, a criança demonstrará ansiedade e descontentamento por, no momento, não conseguir realizar determinadas ações, porém o seu papel deve ser o de estimulador: “- vamos lá!”, “Leia novamente, você consegue!”. Perguntas que farão refletir sobre os enunciados serão bem-vindas. Mas nunca, em hipótese alguma, apresente a resposta.

Outra dica importante é: demonstre à criança muito interesse pelo dever que ela tem, demonstre amor, carinho e muita (permita-me com letra maiúscula: MUITA) paciência! Sim, ela precisa de você e ao perceber sua presença constante e a atenção dispensada, tudo se tornará mais fácil e ambos terão a sensação literal de “dever cumprido”.

Ah! Quase esqueci: boa tarefa!

 

 

Imagem: Zdyma4 / Fotolia