O reinício das aulas sempre traz para os professores a ansiedade pela chegada de novas turmas. É natural e todos os professores passam por isso, sejam eles “marinheiros de primeira viagem” ou veteranos. E essa ansiedade pode aumentar quando ele sabe que haverá uma criança com deficiência na sua turma. “Vou conseguir dar conta deste e dos outros alunos? Será que vou conseguir ensiná-lo? E se ele for agressivo?” São questionamentos normais de todos os educadores.

Calma! Afinal, tudo que é novo causa desconforto e insegurança. Mas receber um aluno com deficiência é um desafio que poderá se converter em um presente recheado de aprendizagem. Seguem algumas dicas:

 

Busque conhecimento

Saber que tipo de deficiência tem o aluno, buscar entendê-la um pouco mais e pesquisar sobre os desafios típicos trazidos por aquela deficiência é muito importante. Vale ressaltar que, além da deficiência, há um indivíduo e, por isso, é essencial respeitar sua particularidade.

Crie vínculo

É importante o professor ter em mente que a relação que for estabelecida com aquele aluno especial é o que determinará o comportamento do mesmo no decorrer do ano. Muitos alunos com deficiência se adaptam às escolas quando percebem que são aceitos, compreendidos e conseguem aprender na escola. Nenhuma pessoa fica bem onde se sente excluída, incompreendida ou rejeitada.

Prepare a turma para as diferenças

Faça uma dinâmica em grupo com os alunos para que eles se conheçam.Aproveite esse momento para conversar sobre as diferenças entre alunos, sobre as qualidades e competências de cada um. É preciso explicar para todos que cada situação é única e nem sempre as atividades serão idênticas. Converse sobre as diferenças, mas jamais coloque o aluno deficiente no papel de “coitadinho”. É essencial lembrar que todos podem aprender dentro de suas limitações.

Planeje-se

Para que a inclusão aconteça de forma efetiva, é fundamental a elaboração de um plano de ação, adaptando as atividades para que as mesmas atendam as necessidades específicas do aluno. Caso sinta dificuldade, recorra à equipe gestora e à sala de atendimento especializado. Uma sala de aula inclusiva respeita e valoriza as diferenças; sendo assim, todos aprenderão competências que levarão para o resto de suas vidas e ensinamentos que vão além do pedagógico.

 

Como você viu, lidar com alunos com deficiência não é um bicho de sete cabeças. E pode acrescentar muito à sua formação. Afinal, ajudar a construir uma sociedade que respeita o outro, o diferente, que desenvolve o apoio mútuo, com pessoas mais solidárias e compreensivas é o papel de todos os formadores de opinião. E este também é o seu papel, professor!

 

Imagem: Robert Kneschke / Fotolia